sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Again







Acho que me afastei dele. O T.A. me distanciou de todos para falar a verdade. Sinto que não posso pedir ajuda, não consigo. Nem a ele, nem a um psicólogo; ninguém. Todos fingem que nada aconteceu, e eu aprendi a sorrir para afastar olhares. Alguns comprimidos foram suficientes para conter meu eu "doente". Me perco entres as teias porque efeitos colaterais não me assustam.

Há alguns dias meu peso era monstruoso. 51,3 Kg.

Vi a balança marcar 48,7 pela manhã. Mas o espelho só mostra toneladas de gordura vazando por meu corpo. Isso me deixa tão enjoada quanto o Franol, e, não é necessariamente uma coisa ruim. Eu creio que posso lidar com a ansiedade, a vertigem e qualquer outra coisa se obtiver resultados. Quero tirar fotos.
Mas ainda não é bom o suficiente.




Estou indo visitar vocês.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Sick all this.






 Alguns garotos que passavam pela rua me cantaram,; não seria tão ridículo se uma "amiga" não dissesse:"ainda bem que você não está tão magra como antes. Assim tá bonito e aqueles caras ali já perceberam". Eu realmente quis morrer com aquilo. Assédio é nojento. E meu peso é uma piada.

Anti céptico bucal não é capaz de lavar minha alma. Me sinto suja e "psicologicamente fodida*" demais pra subir em uma balança. Engordei, é visível. Tudo começou a desandar e estou surtando com isso. Decidi ir ao psicólogo, só que não sei se é a escolha certa. Eu não sei o que está acontecendo. Há muitas nuvens no céu, mas a chuva cai pelos meus olhos.


* Perdoem me por eventuais palavrões.


sábado, 21 de janeiro de 2017

Part of Me




Eu queria comer. Juro. Mas tudo parece ter gosto de papel. Não existe mais satisfação em se alimentar; todas às vezes que tento colocar as mãos na geladeira ela só me deixa pegar aquela maldita garrafa de água. Não há nada que eu possa fazer, a malvada Ami está me deixando morrer lentamente. De fome.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Weird*






 Geralmente é depois de muitos erros é que aprendemos a fracassar melhor(de um jeito diferente). Hoje acordei inteira, não em pedaços. Eu olho pras cicatrizes e vejo tudo aquilo que está escondido em meu interior. Mas estou feliz que sejam apenas cicatrizes, não cortes.

Acho que devo minha sanidade a música, ou pelo menos o que sobrou dela. É o que eu ouço quando não estou em frente ao espelho, ou em algum lugar da internet; vulgo algum blog Ana/Mia de nove ou dez anos atrás. Eu passo a noite revirando o passado de estranhos e é engraçado como algumas coisas são tão familiares. Parece que eu achei mesmo o conforto, distante, nas palavras de estranhos. Obrigada pela dica.

Meu corpo ainda tentar roubar o controle, mas está tudo indo bem. Estranhamente bem. Eu deveria desconfiar ?

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

You aren't who should be







Não suportei. Estava muito mal para comparecer na consulta, ou pelo menos disse que estava. Mais uma vez, remarcada. É claro que não ficou por isso mesmo, as pessoas por aqui fizeram questão de transformar meus dias num verdadeiro inferno. Tantas discussões e a verdade exposta, nada de desconhecido mas mesmo assim doeu, sem um pingo de eufemismo. Indo além dos clássicos "…eu não sei mais o que fazer" ou "…você não é como deveria ser", meu padrasto vociferou "...você está estragando tudo[…]" enquando eu estava segurar aquelas lágrimas. É verdade, é só o que sei fazer, grande descoberta essa! Talvez eu devesse estar magoada só que não sinto nada, nem sei como me sentir. Presa na redoma da Ana. Esse é meu castelo, essa é minha prisão.



Não comi muito mas induzi vômito algumas vezes. Quero arrastar um esse corpo morto pra fazer algum exercício mas teria ódio de dar satisfações do por quê pra eles. Talvez eu seja mais uma das bonequinhas transtornadas que se ocultam em quartos escuros e utilizam pseudônimos agradáveis. Tento me manter sempre sobre a claridade do meu monitor, porque quando as luzes apagam.... Coisas ruins acontecem.